Pular para o conteúdo principal

E-mail para Tati Bernardi

Olá, Tati!!

Eu queria escrever uma coisa bem legal pra chamar a sua atenção, mas não consegui pensar em uma coisa bem legal, então vou escrever do jeito que vier na cabeça, porque um dia alguém me falou que a verdade é o melhor que podemos oferecer a outra pessoa. Embora eu não saiba direito o que vam a ser "verdade" e esse monte de "ques" já estejam me incomodando, vou continuar escrevendo, porque minha vontade é só fazer contato.

Já faz algum tempo que li um texto seu pela primeira vez. Nem lembro mais qual era, só lembro ter enviado a todos os meus contatos do sexo feminino. Sua escrita me fascinou de cara porque sou fascinado pelo universo feminino. Só por isso. 99% dos meus amigos são mulheres. 99,9% das minhas conversas são com mulheres. E eu nem sou gay ou Don Juan, rs
Então tenho procurado desde nãomelembroquando entender o universo de vocês, embora nem vocês se entendam na maioria das vezes.

Então era isso. Queria dizer que, em primeiro lugar, gostei do que você escreve por que me revela um pouco do universo feminino. Depois fui gostando também por outros motivos. Porque você ama as palavras e faz malabarismos com ela para dizer o indizível. Sim, porque muito disso que a gente sente não se sabe bem como dizer e nem se será entendido como a gente sente dentro. Sabe, eu já fui muito de escrever. Escrevia também sobre o que sentia, mas era tão dolorido que decidi parar de sentir. Levar uma vida, assim, mais conformada. Era, talvez, o único jeito de escapar desse embate com as palavras que, no fundo, era o meu embate comigo mesmo e com o mundo. Mas, de repente, me aparece alguém que resolveu não fugir das palavras, não fugir de si, dessa ânsia, dessa busca incessante por entender o que não se entende, de expressar o que não se expressa, pelo menos não com toda a clareza de um tratado científico, quadradinho, comprovado, não, sentir escapa a todas as explicações, e o máximo que conseguimos é fazer alguém sentir com o modo de arranjar as palavras, não explicar, já percebeu isso? Pois é. Pessoas como você, que escrevem dessa forma apaixonada, fazem renascer dentro de mim aquilo que eu luto pra sufocar, porque na verdade a gente não escolhe sobre o que escrever, já está dentro da gente o tema, o assunto que vai permear todos os nossos textos, seja qual for o credo, filosofia ou que quer que vá influenciar o indivíduo. Por essa razão, por essa sua paixão pelas palavras e com a qual me faz sentir também qualquer coisa através dela, seja essa angústia pela falta de um amor, seja a angústia de entender o amor, entender o propósito de estar aqui nesse mundo, seja a vontade de expressar tudo pelas palavras e imagens criadas, é por esse motivo, por escrever por amor ao ato de escrever que gostei de você. Ou dos seus textos.

Nossa, como eu sou prolixo, hehehe. Acho que vai te dar preguiça de ler tudo isso. Mas pelo menos matei minha vontade, rs.

Vou continuar por aqui, devorando seus textos.

Abraço

* Tati Bernardi escreve no site www.tatibernardi.com.br
Era pra ser só um e-mail pra ela, mas como escrevi umas coisinhas mais ou menos, resolvi postar aqui pra vocês também.

Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…