Pular para o conteúdo principal

Seria o homem um vírus?

Foi em 2002 que pela primeira vez prestei a atenção nessa frase. O meu professor de Introdução à Sociologia pediu uma análise do filme Matrix, com a intenção de nos mostrar como a nossa sociedade exerce o controle sobre cada um de nós, mas o que mais me impressionou foi a cena em que um daqueles agentes da Matrix, em diálogo com o Neo (Keanu Reevers), afirma que a raça humana era para o planeta Terra como um vírus. E não é que faz sentido? Nós nos proliferamos com uma rapidez exponencial, devastamos o meio ambiante, desequilibramos os ecossistemas, o clima, a vida. Se considerarmos a Terra como um ser vivo, nós a estamos matando, como um uma doença viral faz com a gente. E ela não está sendo capaz de nos eliminar com seus anticorpos: tempestades, tsunamis, furacões. Não faz sentido?

Ontem, assistindo o filme O dia em que a Terra parou, essa idéia me perturbou novamente. Em uma cena, Klaatu (Keanu Reevers, novamente), um ser alienígena que assumiu a forma de um ser humano para cumprir sua missão, diz à cientista que o acompanha que a raça humana está matando a Terra.

"Se a Terra morrer, o homem morre. Se o homem morrer, a Terra sobrevive."

Entretanto, o filme acena para o fato de que é nos momentos de crise que as civilizações evoluem. Será que nós, seres humanos já nos conscientizamos da crise já instalada em nosso planeta? Os dados previstos pelos cientistas podem ser por demais alarmantes, mas é inegável o impacto da ação do homem no clima e no equilíbrio do planeta, em geral.

Acompanhando o argumento do filme, eu respondo à pergunta do título da seguinte maneira: o ser humano não é um vírus, mas age como um. Daí algum leitor pode me perguntar: faz diferença? Sim, uma diferença enorme, porque se consideramos isso como uma questão de atitude, podemos educar os futuros homens para não agirem como vírus, mas como aquelas bacteriazinhas que ajudam na flora intestinal, por exemplo. Assim poderíamos mudar nosso estilo de vida para tentar reparar os estragos que já fizemos na Terra.

Sempre acreditei que é através das pequenas ações que esse mundo será mudado. Você, que hoje lê esse texto, tem agido como um vírus, matando o planeta que o hospeda? O que pretende fazer para não matar o hospedeiro e, por conseqüência, a si mesmo e a sua descendência – ou, quem sabe, sua espécie?

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…