Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2009

Opportunity

Sabe, há dias em que parece que o universo inteiro quer te dizer algo. Ou pelo menos, de repente, é você quem passa a prestar a atenção a certas mensagens que sempre estiveram aí, mas só agora se tornaram úteis. Ou as duas possibilidades e mais alguma que você, amigo ou amiga do blog, venha a pensar.

Estou lendo Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres, de Clarice Lispector, e ontem li o seguinte trecho:

"Não posso ter uma vida mesquinha, porque ela não combina com o absoluto da morte"


Essa é a conclusão da personagem Lóri, depois de uma longa reflexão sobre vida e morte, na qual a última é vista como uma passagem para uma forma mais plena de existir, digamos assim. Dito isso, viver seria a espera e a preparação para a morte que, para a personagem, era desejável, não para escapar do mundo, mas por ser "como os primeiros calores frescos de uma nova estação".

Isso por si já me deu uma vontade enorme de viver e de fugir da mediocridade de apenas sobreviver. Então, agora…

Banalidades do fim de semana

1. Quem era aquele timinho que apresentaram como seleção brasileira no jogo de hoje contra a seleção do Equador?
E eu ainda perco meu tempo assistindo essas peladas. Tsc, tsc...

2. Curti demais o tributo ao Raul Seixas no Café Atômico ontem! Dando um desconto que o vocalista cortou as letras de algumas das músicas que eu mais gosto, foi bom pra kct!
Fui mais pra acompanhar a galera, mas chegando lá percebi que eu sabia quase todas as músicas, rsrs

3. Alguns fantasmas do passado insistem em reaparecer. Mas vou ouvir o conselho de duas amigas: é melhor deixar os defuntos enterradinhos no seu lugar.

Dicaceita!

4. Domingo pra descansar da noitada e fazer os trabalhos da facul. Aff...



Boa semana pra vocês!!

Outro tempo começou...

Pra Rua Me Levar
(Ana Carolina / Totonho Villeroy)

Não vou viver como alguém que só espera um novo amor
Há outras coisas no caminho aonde eu vou
As vezes ando só, trocando passos com a solidão
Momentos que são meus e que não abro mão

Já sei olhar o rio por onde a vida passa
Sem me precipitar e nem perder a hora
Escuto no silêncio que há em mim e basta
Outro tempo começou pra mim agora

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você

É... mas tenho ainda muita coisa pra arrumar
Promessas que me fiz e que ainda não cumpri
Palavras me aguardam o tempo exato pra falar
Coisas minhas, talvez você nem queira ouvir

Já sei olhar o rio por onde a vida passa
Sem me precipitar e nem perder a hora
Escuto no silêncio que há em mim e basta
Outro tempo começou pra mim agora

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você...

********************************

Na falta do que escrever, deixo pra vocês a minha trilha sonora de hoj…

Decisão drástica (por tempo indeterminado)

Tomei uma decisão drástica hoje. Eu acho. Quer dizer, decisões drásticas não são comigo, porque eu mudo de idéia com facilidade, mas por enquanto é uma decisão. Ponto.

A decisão é: - Vou escrever aqui sobre qualquer coisa e vocês vão ter que me engolir.

Nos dias cinzentos e chuvosos de uma terça triste, ou nos dias ensolarados de domingo. Na deprê ou na euforia, o que eu escrever vai estar por aqui. Afinal, o nome do blog não é experimentando-me? E eu estou me experimentando cada vez menos no quesito escrever. Hoje, pensando comigo mesmo, cheguei à conclusão de que me experimentar é também escrever textos ruins, ou pelo menos não tão bons. O que significa que vocês podem vir aqui de vez em quando e se chatearem com inutilidades. Tudo bem, eu lhes perdôo se não comentarem ou se ficarem uns dias sem aparecerem por aqui. Mas, pela minha decisão, devo escrever mesmo assim. E publicar. Senão terei que mudar o nome do blog para qualquer outra coisa, já que não estaria combinando. Ponto.

Por …

Mensagem a um bebê que foi salvo depois de ter passado 24 horas enterrado

Li nesse instante um e-mail com a notícia de que um bebê foi salvo por policiais depois de ser enterrado vivo pela sua mãe. Havia terra na boca dele. Havia moscas. 24 horas foi o tempo estimado entre o ato criminoso da mãe e o socorro. Ele sobreviveu. Final feliz. Feliz?

O que será dessa criança quando souber que foi enterrada viva logo ao nascer? Será que terá um lar, uma família, alguém que lhe dê carinho e cuidado? Pode ser que sim devido à publicidade do caso. Caso encontre conforto em uma família, será grata por ter encontrado um lar ou vai desejar nunca ter sido salva do buraco onde sua mãe a enterrou?

É, criança, o mundo é bizarro. Tua mãe tentou te matar no teu primeiro dia de vida fora do útero. Talvez já tenha tentado antes, quem sabe? Se ela teve coragem de te enterrar depois de te ver e te tocar! Mas ela não será a única. Desculpe te dizer, mas o mundo te será hostil por muitas vezes. Tomara que você tenha sorte e não vá parar num orfanato. Ou na rua. Ou numa casa onde não t…

E-mail para Tati Bernardi

Olá, Tati!!

Eu queria escrever uma coisa bem legal pra chamar a sua atenção, mas não consegui pensar em uma coisa bem legal, então vou escrever do jeito que vier na cabeça, porque um dia alguém me falou que a verdade é o melhor que podemos oferecer a outra pessoa. Embora eu não saiba direito o que vam a ser "verdade" e esse monte de "ques" já estejam me incomodando, vou continuar escrevendo, porque minha vontade é só fazer contato.

Já faz algum tempo que li um texto seu pela primeira vez. Nem lembro mais qual era, só lembro ter enviado a todos os meus contatos do sexo feminino. Sua escrita me fascinou de cara porque sou fascinado pelo universo feminino. Só por isso. 99% dos meus amigos são mulheres. 99,9% das minhas conversas são com mulheres. E eu nem sou gay ou Don Juan, rs
Então tenho procurado desde nãomelembroquando entender o universo de vocês, embora nem vocês se entendam na maioria das vezes.

Então era isso. Queria dizer que, em primeiro lugar, gostei do que vo…

Pequena oração

Que a vida venha com sua carga de drama, comédia, tragédia ou terror, seja do jeito que for, venha e me inunde e que eu mergulhe sem medo e sem pudor de ser, como se nunca tivesse conhecido outra condição de viver que não a de ser humano e o ser plenamente.

“A mais premente necessidade de um ser humano era tornar-se um ser humano”.
(Clarice Lispector)