sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Vidamar

Diante do mar da vida, prostro-me e delicio-me com o som de suas ondas namorando a praia. A maré, que até pouco era baixa, subiu, subiu e quase me cobre nas ondas maiores. Imperceptível até antes de eu engolir um pouco da sua água salgada, perdido no meio de um turbilhão de águas que me arrastou até a praia. Mas agora, essa vida-mar que me jogava pra fora, passou a me puxar pelas pernas para dentro dela, igualmente imperceptível no início, de modo que quando percebi estava longe, no meio da vida, me afogando no mar, tanta vida me inundando os pulmões, tão salgada a vida, tão ávida de meu corpo, tão lenta minha alma desvanecendo e, no entanto, sinto-a plena, absoluta, como se fosse preciso naufragar, tocar as profundezas para senti-la assim. E de tanto sentir, na vida, enfim, me dissolvo, torno-me mar, e vou pelos séculos, brincar com as praias e pedras de maré e ressaca.