Pular para o conteúdo principal

Mensagem a um bebê que foi salvo depois de ter passado 24 horas enterrado

Li nesse instante um e-mail com a notícia de que um bebê foi salvo por policiais depois de ser enterrado vivo pela sua mãe. Havia terra na boca dele. Havia moscas. 24 horas foi o tempo estimado entre o ato criminoso da mãe e o socorro. Ele sobreviveu. Final feliz. Feliz?

O que será dessa criança quando souber que foi enterrada viva logo ao nascer? Será que terá um lar, uma família, alguém que lhe dê carinho e cuidado? Pode ser que sim devido à publicidade do caso. Caso encontre conforto em uma família, será grata por ter encontrado um lar ou vai desejar nunca ter sido salva do buraco onde sua mãe a enterrou?

É, criança, o mundo é bizarro. Tua mãe tentou te matar no teu primeiro dia de vida fora do útero. Talvez já tenha tentado antes, quem sabe? Se ela teve coragem de te enterrar depois de te ver e te tocar! Mas ela não será a única. Desculpe te dizer, mas o mundo te será hostil por muitas vezes. Tomara que você tenha sorte e não vá parar num orfanato. Ou na rua. Ou numa casa onde não te amem. Você pode encontrar uma família boa, bons amigos, uma boa vida. Mas ainda assim esse mundo te será hostil. Um belo dia alguém vai te apontar uma faca ou um revólver e te tomar tudo o que tens no momento. Se for a primeira vez, entre os bens perdidos constará a tranqüilidade de andar pelas ruas sem medo. Medo de ser assaltado, medo de ser agredido, atropelado, de bala perdida, medo, medo, MEDO!

Apesar de tudo você inda pode ser forte e resistir a tudo isso. Ainda mais você, que sobreviveu um dia debaixo da terra, que já esteve perto de conhecer a morte. Espero que encontres na vida força para enfrentar aquilo que tentar te tirar a vida e a dignidade de ser humano. Assim como encontraste no primeiro dia da tua vida.

Perdoe a amargura.

Perdoe a secura.

Estou muito adulto hoje.

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…