Pular para o conteúdo principal

Coisas da (pós-) modernidade

Você tomaria remédios se soubesse que poderia ficar mais inteligente? Pois já existe um grande número pessoas tomando remédios tarja preta para aumentar a concentração e a produtividade, seja no ambiente de trabalho, seja entre estudantes, segundo reportagem da revista Época da semana passada. Essa tendência já recebeu até apelido: neurocosmética.

Bem, ainda segundo a matéria, os remédios não vão deixar ninguém mais inteligente, pelo menos por enquanto. No máximo aumentam a concentração, estimulam a fluência verbal (oral e escrita) e aumentam a disposição, o que seriam aspectos positivos. Ou seja, vai potencializar as habilidades de quem já as possui. Daí surgem as questões éticas: não seria equivalente ao dopping nos esportes? Por outro lado – e nisso a matéria ficou devendo – qualquer droga causa efeitos colaterais, o que deve ser levado em conta no custo x benefício do seu uso.

Uma última informação relevante da matéria: no futuro pode se tornar corriqueiro o uso de tais remédios.

Algumas coisinhas me passaram pela cabeça ao fim da leitura:

1. Fiquei imaginando as pessoas discutindo neurocosmética num futuro-não-tão-distante;

- Minina, tenho uma apresentação amanhã de um novo produto e ainda não decidi se eu tomo o remédio X ou Y.
- Toma o Y, amiga! Tô te falando, foi ele que me salvou na apresentação da monografia na semana passada!

2. Essa vida moderna (ou pós-moderna, depende do seu ponto de vista) com seus excessos de tudo, principalmente informação e consumismo, exige a criação de um superhomem, que não necessariamente é melhor ou mais inteligente que o homem das cavernas, mas é, pelo menos, mais cheio de habilidades e potencializadores dessas habilidades. Nossa memória, por exemplo, não está mais somente no nosso cérebro, está diluída entre computadores, celulares, agendas eletrônicas, orkut (me salva de esquecer as datas de aniversário), entre outros.

3. Duas perguntinhas: até que ponto isso contribui para sermos mais felizes ou realizados? Somos melhores em que sentido com todos esses aparatos (pós-) modernos?

4. Isso me lembra a crônica Exigências da vida moderna, do Luís Fernando Veríssimo.

P.S. Muito obrigado aos que já deram o seu voto no Experimentando-me. Pensei em descadastrar o blog do prêmio Top Blog na semana seguinte ao post anterior, mas não fiz isso em respeito ao voto de vocês. Pra mim o melhor prêmio continua sendo a visita e os comentários dos amigos que me acompanham desde o blog antigo e dos que vieram chegando ao longo desses pouco mais de três anos de blogosfera.

Um grande abraço e uma excelente semana a vocês, pessoas!


Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…