Pular para o conteúdo principal

40 lembranças de escola

1. Já fui o melhor aluno da turma (da primeira à quarta série).
2. Da primeira à terceira, estudei na escola São Francisco, uma escola construída pela associação do bairro onde morava. O meu avô era tesoureiro e eu dei minha contribuição na construção dela. Ajudei a quebrar a pedra brita com meu martelinho, rs.
3. Nessa época, fui apaixonado por uma coleguinha de classe, a Hecsandra (nem me lembro se era assim que escrevia). Ela nunca soube.
4. Por ela eu arranjei minha primeira briga na escola.
5. Um colega daqueles mais bagunceiros mexeu com a melhor amiga dela, a Ana Catarina; ela foi defender, o menino engrossou pro lado dela e foi aí que eu me meti na história.
6. Aos 8 anos eu era mais valente que hoje.
7. Ele prometeu me pegar na saída.
8. Do lado de fora da escola ele veio cumprir a promessa.
9. Muitas crianças fizeram uma roda.
10. Não precisei mover um dedo. Dois colegas que eu nem sabia que gostavam de mim deram conta do indivíduo.
11. Foi uma das poucas aventuras que vivi na escola, pois sempre fui muito discreto, muito na minha.
12. A primeira e única vez que fiquei de castigo foi na terceira série.
13. O Professor Luís, que era o carrasco da escola, me pegou conversando (na verdade estava pedindo uma borracha emprestada) e bateu com o apagador na minha carteira.
14. A Diretora e os funcionários acharam engraçado eu ficar de castigo, pois minha fama de bom aluno era reconhecida na escola, que era beeeem pequena.
15. Ainda lembro da primeira vez que fui sozinho pra escola.
16. Tinha 5 anos e a escola ficava a 4 quadras de casa. Me senti tão orgulhoso de chegar lá!
17. Meus melhores amigos nessa escola foram o Denis e o William.
18. A gente trocava figurinha, jogava videogame e bolinha de gude. Nunca mais os vi.
19. Tinha também o Johnnatan, que anos mais tarde aprendeu a tocar violão junto comigo.
20. No pré-escolar, a professora Elza me dava carona de volta pra casa. Eu adorava. Nem me lembro qual era o carro dela, mas parecia tão grande na época!
21. Na terceira série, me vesti de São Francisco no arraial da escola pra cantar a oração atribuída a ele.
22. Dancei quadrilha nas três primeiras séries. Infelizmente a Hecsandra nunca foi meu par.
23. Lembro que fiquei muito impressionado porque o Jorge Tufic, o cara que escreveu o Hino do Amazonas, foi visitar a nossa escola e deu autógrafos pra gente.
24. Pra mim os caras que tinham escrito os hinos já estavam todos mortos. Por isso tive a impressão de que ele era muito velho, imaginava ele com mais de cem anos, rsrsrs
25. Na quarta série mudei de escola, porque essa só era até a terceira. Foi um ano ruim, fui muito perseguido por três alunos que eram mais velhos, porque eu tirava notas boas e a professora gostava de mim.
26. Eles me chamavam de cara de porco. Riscavam meu caderno e minha agenda (eu usava a agenda nessa época, hoje não uso mais, rs). Uma vez um deles me fez medo com um canivete.
27. Por isso fui pra outra escola no outro ano. Consegui uma bolsa parcial numa boa escola. O nível era mais alto do que eu estava acostumado e pela primeira vez na vida eu não era o melhor da classe, posto ocupado pela Vívian, filha da Diretora.
28. Nessa escola tive outra paixão platônica, a Daiana, uma moça branca, loira, alta e magra. Eu adorava o sorriso dela.
29. Eu era da quinta série A e ela da quinta B. Ainda fiz amizade com a melhor amiga dela, a Vanessa que tentou agir de cupido, mas eu era muuuuuito tímido e nunca rolou nada além de troca de olhares.
30. A professora que mais gostei dessa escola foi a Gorgonha, de Educação Física. O pouco que eu sei de vôlei, basquete e atletismo, foi ela quem ensinou.
31. Daí a bolsa não renovou e eu fui pra escola pública na sexta série. Era uma turma complicada, bagunceira, mas a escola era boa, apesar das limitações.
32. Lá ganhei o apelido de Tanaka, no auge daquele personagem da A Praça é Nossa. Curtiram tanto com a minha cara! Eu levava na esportiva.
33. Dessa escola o mais marcante foi minha equipe ter ganho a feira de ciências na sétima série falando sobre tratamento de esgotos.
34. Mais gostoso que ganhar a feira de ciências foi visitar a Philips de Manaus, onde fomos ver como eles tratam o esgoto. Lá a gente viu a linha de produção e - o principal - nos deram um lanche farto, lembro que fiquei cheio de tanto que comi, rs.
35. Outro momento marcante foi quando, já na oitava série, meu time ganhou o torneio da escola com gol meu na final. Foi a glória! rs
36. Não estudei o suficiente e mesmo assim por pouco não entrei na antiga Escola Técnica Federal daqui, nem na fundação Mathias Machilini e meu pai ficou p. da vida comigo, mas acabou sendo bom.
37. Acabei no IEA, uma escola pública de curso técnico em Magistério que tinha o ensino excelente à época. Era por semestre e os professores faziam a gente ler muito e debater em quase todas as aulas.
38. Lá reprovei a primeira e única vez antes da faculdade. Foi em Artes (vergonha!). Fiquei na dependência.
39. Foi lá que cantei pela primeira vez em público fora da igreja, em um festival de música. Interpretei a música de uma colega que ficou em quinto lugar, entre 30 selecionadas. Até que a era uma boa música.
40. Ainda teria muitas histórias como no dia em que... bem, fica pra outro dia, rs.

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…