Pular para o conteúdo principal

Você conhece o seu lugar?

Ontem eu fiquei até bem tarde assistindo televisão. Normalmente não assisto TV, mas como tô sem internet, acaba sendo o jeito assistir os canais da NET mesmo (com o perdão do trocadilho)... As oportunidades para uma reflexão nos surgem das mais variadas formas e é muito provável que se estivesse com internet não assistisse ontem ao debate na TV UFAM (Universidade Federal do Amazonas) que só me chamou a atenção pela presença do poeta Thiago de Melo - o autor do famoso poema Os Estatutos do Homem.

O poeta, um amazonense de Barreirinha, município do interior do estado, viajou o mundo na época da ditadura, período no qual esteve preso duas vezes, lutando pela instauração de uma sociaedade mais justa e igualitária. Foi amigo íntimo de Pablo Neruda, trabalhou com Allende no Chile e com o golpe de Pinochet foi parar na Alemanha, como professor de Literatura da América Latina.

Pois foi justamente partindo da sua experiência ao travar conhecimento com os alunos alemães que Thiago de Melo trouxe um alerta para a comunidade científica da UFAM. "Os cientistas estrangeiros sabem mais da amazônia que nós." E contou como os alemães encheram ele de perguntas das quais ele sequer imaginava a resposta. Gostaria de lembrar quais eram as perguntas, porque eu também não sabia as respostas.

Imediatamente fiz o link com um conto do Milton Hatoum que li no domingo, sobre um japonês que sonhava conhecer o Rio Negro, o maior afluente do Rio Amazonas. A narradora, uma pesquisadora da UFAM, teria acompanhado o cientista na sua primeira viagem pelo Negro e se impressionara com o conhecimento do japonês sobre o lugar e em determinado momento chega a afirmar que parecia mais uma viagem de reconhecimento, de tanto que ele sabia os nomes e as informações técnicas sobre o lugar.

O debate era para a comunidade científica, mas bem que o alerta do poeta e de Hatoum podem servir para todos nós. Como podemos defender um patrimônio que desconhecemos completamente? Estamos falando da Amazônia, mas também podemos incluir nesse pacote o cerrado, o Pantanal e o que restou da Mata Atlântica. Porque é um patrimônio natural nosso, uma riqueza cada vez mais escassa no mundo e que não está sendo aproveitada, aliás, está cada vez mais ameaçada pelo nosso modelo de desenvolvimento, pelas pessoas que agem na ilegalidade (madeireiros, grileiros) e talvez por outras ameças que desconheço no momento.

Ano passado li uma esclarecedora (pelo menos para mim) matéria sobre a Mata Atlântica na National Geographic, pois nela havia um dado que desconhecia: o período de maior desmatamento nela não foi no período colonial - com a exportação de pau-brasil, cana-de-açúcar -, nem no império, mas no século XX!

A mesma coisa está acontecendo com a selva amazônica. Estão querendo aprovar a construção de estradas, hidrelétricas e demais demandas do desenvolvimento sustentado sem o devido estudo do impacto ambiental e, com certeza, sem pensar na vida das pessoas que moram na floresta e tiram dela seu sustento, incluindo-se aí as nações indígenas.

Por isso se faz necessário que nós, cidadãos comuns, também estejamos a par do que estão fazendo do nosso patrimônio natural os nossos congressistas, os nossos governantes, pois das decisões deles depende o futuro da floresta, do cerrado, e talvez, da vida. Assim, se algum dia você tiver condições de viajar pra outro país ou travar conhecimento por aqui mesmo com um estrangeiro, poderá se sair melhor do que Thiago de Melo à época de sua estada na Alemanha.

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…