Pular para o conteúdo principal

De como decidi cantar na noite

Como prometi no twitter, vim falar sobre a apresentação de sábado.

Na verdade essa história de tocar na noite vem amadurecendo desde o ano passado, quando eu e o meu amigo Vítor começamos a conversar sobre a possibilidade de tocarmos juntos. Eu toco e canto e ele idem, e nossos repertórios são diferentes, daí pensamos que a soma daria um bom resultado. Eu estou mais na área de mpb e rock anos 80; ele já conhece as mais atuais e sertanejo, coisas que o pessoal também pede, dependendo do local. Nós iríamos tocar em uma choperia perto da casa da minha mãe (na época eu morava lá, ainda) em janeiro, mas uma gripe e vários contratempos atrapalharam nossos planos. Dessa época nós só tivemos alguns poucos ensaios e um pequeno repertório montado.


O tempo passou, eu voltei a estudar, ele estava trabalhando muito e a ideia foi ficando adormecida. Aí, há algumas semanas atrás ele conheceu a cantora Eva Pinheiro, que já está a alguns anos cantando na noite, quando esta fazia uma apresentação na empresa em que ele trabalha. No intervalo, ele pediu pra tocar uma música, ela gostou e disse que poderia indicá-lo pra tocar em um barzinho onde ela já havia se apresentado. Mais ou menos ao mesmo tempo, uma amiga que ainda não tinha me visto tocar e cantar, mesmo depois de dois anos de amizade, viu, ouviu e gostou muito. Daí ela me perguntou se eu gostaria de cantar na noite, pois ela tem uns contatos e poderia, inclusive, me empresariar, caso eu me interessasse. Foi o suficiente para o projeto ressurgir e ir ganhando cores novamente.

Começamos de novo a pensar em repertório, a conversar sobre o que poderíamos fazer, mas demoramos a fazer contato com a dona do bar onde iríamos tocar e a ideia estava esfriando de novo. Mas no domingo da semana passada (16/08), depois de ir ao cinema no shopping Millenium com amigos, resolvemos comer uma pizza no Confrade Café Bar, que fica no Parque dos Bilhares, bem ao lado do shopping. Na hora de pagar eu percebi que o dono era outro e resolvi puxar assunto. Não sei de onde arranjei coragem pra me oferecer pra cantar lá, caso ele estivesse interessado. E não é que ele aceitou!? Marcamos um teste na terça (18/08) pra ele ver o repertório e a minha performance.

Quando saí de lá fui me tocar que eu não tinha nada: nem repertório, nem aparelhagem, só a voz, o violão e um cabo pro violão. Liguei pro Vítor pra avisar que iríamos tocar na terça, às 19:30, e com a intenção de dividir a responsabilidade da montagem do repertório, mas aí ele me lembrou que trabalha no segundo turno em uma cozinha industrial e só sai às 22 horas. Tinha que ser eu e eu mesmo. Quase não dormi de domingo pra segunda: acordei às duas da madrugada com a cabeça a mil e só consegui dormir às 5 da manhã da segunda. Então, nesse dia não produzi nada.
Na terça fui comprar microfone, pedestal, estante para partitura - eu não leio partitura, mas precisava ter onde colocar o repertório - enfim, algumas coisinhas básicas. Pra isso precisei fugir do trabalho à tarde. Quando cheguei dessas comprinhas, fui ensaiar algumas músicas e acabei forçando demais a garganta. Chegada a noite, estava com a garganta seca e sem pique pra tocar muito. Ainda bem que só deu um cliente, fora os meus amigos, rs. Toquei uma hora e meia só pra mostrar o repertório pro dono do bar e acabei sendo cumprimentado pelo único cliente que eu não conhecia, mesmo não tendo tocado Bruno e Marrone pra ele. Foi aí que consegui fechar pra tocar no sábado.
Bem, por hoje a história fica por aqui, até porque já está bem grande, mas logo falo sobre os acontecimentos depois do teste da terça. Até logo, pessoas!

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…