Pular para o conteúdo principal

De como decidi cantar na noite

Como prometi no twitter, vim falar sobre a apresentação de sábado.

Na verdade essa história de tocar na noite vem amadurecendo desde o ano passado, quando eu e o meu amigo Vítor começamos a conversar sobre a possibilidade de tocarmos juntos. Eu toco e canto e ele idem, e nossos repertórios são diferentes, daí pensamos que a soma daria um bom resultado. Eu estou mais na área de mpb e rock anos 80; ele já conhece as mais atuais e sertanejo, coisas que o pessoal também pede, dependendo do local. Nós iríamos tocar em uma choperia perto da casa da minha mãe (na época eu morava lá, ainda) em janeiro, mas uma gripe e vários contratempos atrapalharam nossos planos. Dessa época nós só tivemos alguns poucos ensaios e um pequeno repertório montado.


O tempo passou, eu voltei a estudar, ele estava trabalhando muito e a ideia foi ficando adormecida. Aí, há algumas semanas atrás ele conheceu a cantora Eva Pinheiro, que já está a alguns anos cantando na noite, quando esta fazia uma apresentação na empresa em que ele trabalha. No intervalo, ele pediu pra tocar uma música, ela gostou e disse que poderia indicá-lo pra tocar em um barzinho onde ela já havia se apresentado. Mais ou menos ao mesmo tempo, uma amiga que ainda não tinha me visto tocar e cantar, mesmo depois de dois anos de amizade, viu, ouviu e gostou muito. Daí ela me perguntou se eu gostaria de cantar na noite, pois ela tem uns contatos e poderia, inclusive, me empresariar, caso eu me interessasse. Foi o suficiente para o projeto ressurgir e ir ganhando cores novamente.

Começamos de novo a pensar em repertório, a conversar sobre o que poderíamos fazer, mas demoramos a fazer contato com a dona do bar onde iríamos tocar e a ideia estava esfriando de novo. Mas no domingo da semana passada (16/08), depois de ir ao cinema no shopping Millenium com amigos, resolvemos comer uma pizza no Confrade Café Bar, que fica no Parque dos Bilhares, bem ao lado do shopping. Na hora de pagar eu percebi que o dono era outro e resolvi puxar assunto. Não sei de onde arranjei coragem pra me oferecer pra cantar lá, caso ele estivesse interessado. E não é que ele aceitou!? Marcamos um teste na terça (18/08) pra ele ver o repertório e a minha performance.

Quando saí de lá fui me tocar que eu não tinha nada: nem repertório, nem aparelhagem, só a voz, o violão e um cabo pro violão. Liguei pro Vítor pra avisar que iríamos tocar na terça, às 19:30, e com a intenção de dividir a responsabilidade da montagem do repertório, mas aí ele me lembrou que trabalha no segundo turno em uma cozinha industrial e só sai às 22 horas. Tinha que ser eu e eu mesmo. Quase não dormi de domingo pra segunda: acordei às duas da madrugada com a cabeça a mil e só consegui dormir às 5 da manhã da segunda. Então, nesse dia não produzi nada.
Na terça fui comprar microfone, pedestal, estante para partitura - eu não leio partitura, mas precisava ter onde colocar o repertório - enfim, algumas coisinhas básicas. Pra isso precisei fugir do trabalho à tarde. Quando cheguei dessas comprinhas, fui ensaiar algumas músicas e acabei forçando demais a garganta. Chegada a noite, estava com a garganta seca e sem pique pra tocar muito. Ainda bem que só deu um cliente, fora os meus amigos, rs. Toquei uma hora e meia só pra mostrar o repertório pro dono do bar e acabei sendo cumprimentado pelo único cliente que eu não conhecia, mesmo não tendo tocado Bruno e Marrone pra ele. Foi aí que consegui fechar pra tocar no sábado.
Bem, por hoje a história fica por aqui, até porque já está bem grande, mas logo falo sobre os acontecimentos depois do teste da terça. Até logo, pessoas!

Comentários

  1. Fico feliz por vc !
    E confesso que fiquei com muita vontade de estar lá...

    ResponderExcluir
  2. Nem queria mesmo te ver tocar!


    lúlixaasunhascomolhardedesdém!

    ResponderExcluir
  3. Fico muito feliz Carlos.Quero continuar acompanhando esse trabalho seu nos seus textos.
    Muita sorte pra ti!

    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  4. Uhul amigooooooooooo...é isso ae.
    Muita sorte pra você, quero te ver tocar viu.
    Quem sabe podemos tocar juntos, hehehe.

    Saudades.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. e ai Carlitos, que bacana heim!?!?!
    quer dizer q está todas às terças agora? Manda sua agenda por e-mail que fica bem mais fácil de replicar.:)
    um super bjão e ainda vou te ver tocar heim...mpb.

    ResponderExcluir
  6. Bom, eu já tive o prazer em ouvir você tocar e cantar para mim... rsrsrs.Olha que honra!!! Carlito, fico feliz por saber que você está cantando na noite... Sei o quanto isso vai fazer bem pra ti.

    Bjos.

    Obs: Viu aprendi como acompanhar blogs... Fiz do jeito que você falou... rs

    ResponderExcluir
  7. 'as pessoas tem medo de se abrir &' acabarem se machucando, eu levei tanto tempo pra falar mais agora estou tentando, é fácil de entender, dificil de explicar, mais tenho qe dizer . . . te amo!'

    Carlos,
    meu cabeludo predileto,
    quanta coisa bacana einh?
    a sumidaa aqui resolveeu parar pra saber de TUDO, já que não temos mais tanto tempo pra conversar, &' fiqueei mega orgulhosa de voce viu?
    ê pessoa LINDA &' especial, como diz o Sá, o trabalho aparece quando o trabalhador está pronto!
    Sucesso &' muuita luz!
    beeeijo enoorme dessa cearense arretada qe te ama um monte!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

10 dias em Tabatinga

Às 09:30 da manhã do dia 23 de maio, o piloto do vôo da Trip descrevia os procedimentos de emergência enquanto a bela aeromoça loira de olhos verdes e com o característico penteado impecável fazia a demonstração visual da sua fala. Finalmente o avião levantava vôo e eu estava saindo de Manaus com destino a Tabatinga. Comigo, pude identificar no avião que não estava cheio servidores da CGU, militares e policiais federais. O piloto, terminados os procedimentos de decolagem, anuncia os 7 graus negativos do lado de fora da aeronave e 26 graus em nosso destino. "Graças a Deus um clima mais ameno que em Manaus", pensei. Mergulhei na leitura de O Vermelho e o Negro, de Stendhal, e assim nem vi passar as 02:40 minutos de viagem. Só notei que o tempo previsto estava perto do fim quando começamos a descer em meio a nuvens densas que ocupavam o céu tabatinguense sem, no entanto, causar o menor problema aos procedimentos de pouso, como bem havia previsto o piloto, além de nos avisar, pa…

Beda #4 - Meu sonho de canção

Meu sonho é compor uma canção. Poderia até compor outras canções depois, ou mesmo antes, mas meu sonho é com aquela única que teria o poder especial de acordar nas pessoas o que de melhor possuem, aquela essência que faz delas seres humanos plenos, cientes do que querem no mundo e do que precisam fazer para serem felizes. Ao ouvi-la, as pessoas se dariam conta de que o amor é a resposta, o caminho, a ponte entre o eu e o outro, aquilo que pode nos trazer a paz e a felicidade.
Uma canção poderosa, que soaria longe e adentraria mesmo aqueles corações mais endurecidos e embrutecidos pelos males da vida ou por longos anos de exercício do egoísmo profissional, que desarmasse o preconceito mais arraigado e o ódio mais “justificável”.
Uma canção que tirasse as pessoas dos escritórios, das casas, das prisões, para cantar em uníssono, como um hino de paz e de esperança, e que depois de ser assim cantada em coro, todos se reconhecessem como irmãos de uma grande família.
Sei que essa canção é…