Pular para o conteúdo principal

Trechos da entrevista aos membros da comunidade Pequeno Príncipe no orkut

Semana passada eu fui entrevistado pelos membros da comunidade do Pequeno Príncipe no orkut. Cada semana um dos membros é entrevistado por todos.
Como o pessoal me colocou pra pensar mesmo e acabei gostando de algumas respostas, resolvi postar trechos aqui no blog.

Aí vai o primeiro:

O que vc aprendeu com o último relacionamento?

Tantas coisas que não caberiam nessa entrevista inteira, Tânia. Em primeiro lugar eu aprendi o que é um amor de verdade. Havia cumplicidade. Havia sinceridade. Havia diálogo. Havia duas pessoas que partilhavam tudo, que queriam sinceramente ser um.
Eu me relacionei com uma grande pessoa que, apesar de todas as nossas diferenças, me ensinou muito sobre a vida e com quem aprendi muitas coisas juntos. Foi a primeira pessoa com quem fiz amor (veja bem: amor e não sexo apenas); foi com quem partilhei os melhores e os piores momentos durante quatro anos; foi uma pessoa que, com as suas limitações, fez de tudo pra me ver feliz e so doou por inteiro ao relacionamento, coisa que eu não fiz e que aprendi com ela como se faz.

Aprendi com ela sobre amizade, sobre se importar com os outros, sobre como demonstrar carinho - eu sempre fui fechado e isso passava uma imagem de frieza. Aprendi a trocar o preto e o cinza pelo azul, laranja e o verde. Aprendi coisas demais, Tânia, querida.

A última - e a mais dolorosa - é que um grande amor também acaba, mesmo que a gente não queira acreditar. Mesmo que a gente faça de tudo pra reacender aquela brasa que teima em arder lá no fundo. O amor também pode acabar. Basta se descuidar um pouquinho cada dia, durante meses, anos, que o desamor vai entrando devagarinho, como a chuva erodindo o solo, anos a fio, e quando percebemos, há um abismo entre nós e o ser amado, e quando vamos dar um passo em direção a ele, o abismo nos consome.

Mas é possível amar de novo. Sempre.
E eu estou me preparando para a próxima primavera, adubando o coração para plantar amores-perfeitos, ou quem sabe apenas um amor-perfeito que viva tanto quanto eu.

Comentários

  1. o amor e o desamor tem muito pra nos ensinar não é mesmo Carlito..
    Teamodoro chuchuzão

    ResponderExcluir
  2. Olá Carlos!

    Você me ajuda?

    http://sempreacontecendo.blogspot.com/2009/09/compartilhando-um-sonho.html

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. E foi um sucesso a entrevista *-* hehe
    Beijos, Carlos!
    Saudade...

    ResponderExcluir
  4. Pra mim o amor é uma flor roxa ..
    kkkkkk brincadeira Carlão ...

    Foi linda mesmo sua entrevista, não podia ser diferente ..

    e vc merece ser feliz e realizado em todos os aspectos da sua vida, inclusive no amor ...

    beijosss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

10 dias em Tabatinga

Às 09:30 da manhã do dia 23 de maio, o piloto do vôo da Trip descrevia os procedimentos de emergência enquanto a bela aeromoça loira de olhos verdes e com o característico penteado impecável fazia a demonstração visual da sua fala. Finalmente o avião levantava vôo e eu estava saindo de Manaus com destino a Tabatinga. Comigo, pude identificar no avião que não estava cheio servidores da CGU, militares e policiais federais. O piloto, terminados os procedimentos de decolagem, anuncia os 7 graus negativos do lado de fora da aeronave e 26 graus em nosso destino. "Graças a Deus um clima mais ameno que em Manaus", pensei. Mergulhei na leitura de O Vermelho e o Negro, de Stendhal, e assim nem vi passar as 02:40 minutos de viagem. Só notei que o tempo previsto estava perto do fim quando começamos a descer em meio a nuvens densas que ocupavam o céu tabatinguense sem, no entanto, causar o menor problema aos procedimentos de pouso, como bem havia previsto o piloto, além de nos avisar, pa…

Beda #4 - Meu sonho de canção

Meu sonho é compor uma canção. Poderia até compor outras canções depois, ou mesmo antes, mas meu sonho é com aquela única que teria o poder especial de acordar nas pessoas o que de melhor possuem, aquela essência que faz delas seres humanos plenos, cientes do que querem no mundo e do que precisam fazer para serem felizes. Ao ouvi-la, as pessoas se dariam conta de que o amor é a resposta, o caminho, a ponte entre o eu e o outro, aquilo que pode nos trazer a paz e a felicidade.
Uma canção poderosa, que soaria longe e adentraria mesmo aqueles corações mais endurecidos e embrutecidos pelos males da vida ou por longos anos de exercício do egoísmo profissional, que desarmasse o preconceito mais arraigado e o ódio mais “justificável”.
Uma canção que tirasse as pessoas dos escritórios, das casas, das prisões, para cantar em uníssono, como um hino de paz e de esperança, e que depois de ser assim cantada em coro, todos se reconhecessem como irmãos de uma grande família.
Sei que essa canção é…