quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

♫ ♪ ♪ ♫ ♪ ♫ ♪ ♫ ♪ ♪ ♪ ♫

"Toda alma é uma música que toca."
Rubem Alves


Hoje queria ser apenas voz, som, música. Ser improviso vão de um gênio qualquer que se vai lançando nos ouvidos e emocionando, comunicando, poesia musical, sem letra, apenas som, ininterrupto, contínuo, melodioso, harmônico, belo, melancólico, com trechos vibrantes e mesmo alegres, envolvendo a platéia que reagiria a cada nota conforme a tonalidade, chorando, sorrindo, surpresa diante de tão grandioso e ambicioso concerto.

E assim ir me dando inteiro, fluido, até a última nota de uma partitura que vai sendo escrita à medida que tocada e cantada, sem ensaios, consertos e revisões.

Até o dia em que a corda arrebente, o piano desafine, a voz se acabe e seja hora do silêncio final.