Pular para o conteúdo principal

Eu mesmo não gosto, mas como minha mãe assiste...

Quem nunca ouviu uma frase do tipo? Antes era muito usada por homens e gente que se considerava superior aos pobre ignorantes que se deixavam alienar pelas telenovelas. Hoje, que a telenovela já é quase uma, er, paixão e motivo de orgulho nacional - ainda mais com o prêmio recebido por Caminho das Índias - creio que nem os homens tem mais vergonha de se assumirem amantes da teledramaturgia. Porém essa frase tem sido muito usada hoje para esconder a atração que outro tipo de programa televisivo (não menos alienante e improdutivo) exerce: os reality shows.

Domingo, durante uma discussão sobre o BBB na TV Brasil, uma psicóloga que participava da conversa disse não assistir o programa. Entretanto, quando eram citados certos episódios, lá estava ela opinando com propriedade, utilizando detalhes dos acontecimentos dentro da casa para ilustrar suas críticas. Daí eu pensei: mas como, se ela não assiste? Daí algum leitor poderia dizer que para criticar é preciso conhecer. Tudo bem, mas foi ela mesmo quem disse que não assiste. Então seria mais correto ela dizer que assiste com olhar científico. Pegaria menos mal.

Não obstante, a psicóloga é apenas uma entre muitos que negam ceder à atração que o BBB exerce. Eu mesmo já declarei muitas vezes que não assisto, embora vez em quando (acompanhando a mãe, a namorada) dê minhas espiadelas. Isso não significa que eu tenha passado para o grupo dos aficcionados, que não perdem um paredão por nada, e ficam com calos nos dedos de tanto votar em quem querem ver fora da casa. Eu diria que minha relação com o BBB é mais como acontece com aquelas músicas que a gente nunca em sã consciencia colocaria para tocar no Ipod, mas que de tanto ouvir por aí em todos os lugares, acaba aprendendo (tipo Festa no apê, do Latino).

Outra comparação que acabou de me ocorrer: telespectadores de BBB e consumidores de álcool. Não tem tudo a ver?

Ambos os produtos são ruins e fazem mal à saúde mental e física, mas mesmo assim a grande maioria da população consome. Alguns esporádicamente, apenas para se distrair quando não há nada de interessante pra fazer. Outros com alguma frequência, tipo sexta-feira depois do trabalho (ou terça-feira de paredão). Há ainda aqueles que não conseguem viver sem uma dose diária. Mas o pior de todos é aquele que não tem hora para consumir: são os alcoólatras ou assinantes de BBB pay-per-view. Para esses, só os AAs da vida.

E você, em qual categoria se insere? Ah, sei, dos que não assistem, né. A não ser quando vai na casa da vizinha e...

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…