Pular para o conteúdo principal

Banalidades...

1.Eu juro que gostaria de dar um formato bem arrumadinho pra esse espaço, mas sou um completo analfabeto nessas coisas de linguagem html e demais coisas necessárias para tanto. Enquanto não crio coragem e disposição para aprender comofaz, prefiro não arriscar deixar pior do que tá (risos).

2. Férias a partir de hoje. É, não foi nenhuma coincidência justamente hoje aparecer um novo post aqui, embora não com o esmero que gostaria de apresentar aqui sempre. Mas o eu queria falar mesmo das idéias que pululam aqui na mente há algum tempo e talvez esse período de folga me permita dar forma a elas. Em primeiro lugar, já comprei uma impressora e montei um modesto equipamento de som, para ampliar o meu repertório e ensaiar como se deve para um pretenso músico pensa em se apresentar na noite. Tenho ideias fazer e promover a literatura, ou seja, escrever e estimular a escrever, sejam estudantes ou amigos próximos nos quais vejo potencial. Essa semana é pra organizar tais ideias.

3. Esse post é também um agradecimento e pra justificar as visitas que venho recebendo com certa constância, apesar de ter publicado pela última vez aqui há... sei lá quanto tempo atrás. Pessoas, se vocês acham que eu tenho algo a dizer que vos possa interessar, quem sou eu para guardar aqui dentro, não é? Chega de casulo, passei muito tempo na incubadora (ou seria encubadora? preguiça de consultar o dicionário...); já passou da hora de me dedicar mais a isso aqui.

4. Feliz da vida por vários motivos: férias, novenário do Sagrado Coração de Jesus (e consequente reencontro com velhos amigos), meu Boi Garantido acaba de ser declarado campeão e o Flamengo goleou no fim de semana, além de estar tudo lindo com a minha princesa. Não tenho do que reclamar no momento - e olha que eu sou um velho resmungão, hein!

Abraço, pessoas e, espero, até breve!!

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…