Pular para o conteúdo principal

É tão fácil de amar...

É tão fácil te amar que eu me recuso
mesmo sem motivo
óbvio, infame ou escuso.

Se quero amar o belo
de beleza te compuseram:
tua tez clara e límpida,
teus olhos castanho-claro
tua boca, linda boca
linda face que não me canso de contemplar
a ponto de te provocar a tua timidez
quando me dizes, assim, envergonhada:
- Que foi?
Foi que não posso passar a vida
sem que ao acordar eu possa
pousar-te nas maçãs os lábios
e te dizer “bom dia”,
ou antes do sono, “boa noite”;
boa vida é a minha por estares aqui
e eu poder contemplar-te a cândida face,
dia e noite,
e saber que ela estará ainda amanhã
e depois e sempre,
até que sabe-se lá qual infortúnio nos separe
- a morte, quero crer.
Canto assim toda tua beleza pela face,
que teu corpo e tuas curvas,
guardo-me de cantar em público;
basta que saibam que amo tua beleza.

Caso cismasse de não amar-te a beleza,
como não amar tua fragilidade tão feminina,
teu jeito de abandonar-se assim nos meus braços,
depois de ter enfrentado o mundo lá de fora
com seriedade e força,
em prantos,
com o mesmo abandono de uma criança aos pais?

Recusasse a beleza e a fragilidade.
E descubro em ti outra faceta qualquer;
tua pressa de viver,
que te faz querer o melhor sempre e agora,
em contraste com meu desejo de comodidade,
me tira do falso conforto,
da comodidade modorrenta
onde passam-se semanas,
anos se deixar,
sem que nada aconteça,
nada de realmente importante,
numa eterna preparação de um futuro que nunca chega.
Passo, então, a te amar nessa ligação com o presente,
com a vida que se passa agora,
para longe do tédio,
longe de deixar a vida passar assim,
sem a gente tirar dela o que é nosso:
amizades, paisagens, sabores.
Tudo melhor ainda
porque visto em dois olhares
que se completam,
no caminho percorrido
por dois pares de pernas,
as mãos dadas,
e sentido por dois corações
que são um.

É tão fácil te amar que eu recuso,
mas só por um breve momento,
pelo espaço de um poema,
e da recusa faço canto,
faço toda essa cena,
para dizer apenas:


- Te amo!

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…