Pular para o conteúdo principal

BEDA #5 - Da minha preguiça de gente que não pensa


Eu geralmente sou um sonhador, cheio de esperanças de que as coisas vão ser melhores, mas, ultimamente, estou meio cansado desse mundo. Nem tenho mais vontade de entrar no facebook de tanta asneira que tenho visto as pessoas postando lá. E não estou falando de burrice no sentido usual que as pessoas costumam condenar, como tropeços na ortografia, por exemplo. Isso é no máximo um pouco desconfortável, mas passa sem maiores problemas. A pior burrice que se vê por lá é das pessoas que pensam ser inteligentes ou superiores de alguma forma, tentando argumentar sobre assuntos que não passaram pelo crivo da reflexão pessoal sequer por cinco minutos. Gente que decorou algumas frases do senso comum, um trecho da pregação do pastor ou padre, ou até mesmo uma citação que leu no próprio facebook e repete em todas as suas discussões como se fosse o argumento definitivo, aquele que não dá margem a nenhuma contra-argumentação.

Outro dia, por exemplo, compartilhei um texto do Dráuzio Varela sobre a incoerência contida na sentença que afirma ser a homossexualidade antinatural, citando para isso vários exemplos de comportamento homossexual entre animais, especialmente os primatas, nossos parentes mais próximos. Ia além disso para mostrar a irracionalidade do preconceito contra os homossexuais. Daí me vem um indivíduo nos comentários discutir a respeito, ele contra os homossexuais, e num determinado momento da discussão me sai com um “é a época do normalismo esclarecido”(?). Alguém aí já ouviu falar nessa expressão? Pelo menos pra mim foi a primeira vez. Imagino que ela tenha se originado em algum discurso religioso; confesso que fiquei com preguiça de pesquisar, como fiquei com preguiça de discutir com o colega em questão. Fiquei imaginando ele em frente à tela do seu computador com ar triunfante digitando a sua expressão “normalismo esclarecido” e pensando:

- Pronto, venci o debate. Nada do que ele responder pode contra “normalismo esclarecido”. Sou um gênio!

Mas me pergunto se ele sabe do que se trata o tal normalismo. Presumo que não.

Nesse mesmo contexto, outra palavra que virou moda foi ditadura. Quem nunca ouviu falar na tal ditadura gay, que o movimento LGBT supostamente quer instaurar? Chega a ser risível. Dia desses estava acompanhando os comentários a um post do Tico Santa Cruz. Os textos dele sempre geram discussão e ele faz questão de responder alguns comentários pessoalmente, especialmente aqueles que discordam dele, argumentando em defesa da sua opinião. Isso poderia ser considerado um atitude democrática, né, deixar que as pessoas discordem e ainda tentar debater. Mas pra algumas pessoas, o Tico tentar sustentar o que disse no texto incial é “ditadura”. Dá pra acreditar?

Eu respeito quem discorde de mim desde que tenha ao menos a honestidade de pensar – ou ao menos tentar – por si antes de tentar defender algum posicionamento pessoal. Mas não entendo quem esbraveja por puro preconceito, colhendo frases aqui e ali para tentar justificar o injustificável. Pra mim, isso é burrice pura. E só.

P.S.: O ruim de eu ter que postar todo dia, é não ter tempo para pensar num tema, organizar as ideias e trabalhar o texto como gostaria. Por isso, é provável que apareçam por aqui textos mal construídos, mas peço que sejam indulgentes. Um abraço e atá amanhã!

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…