Pular para o conteúdo principal

BEDA #3 - Em pleno século XXI


É sem dúvidas inadmissível que algumas coisas aconteçam ainda hoje, apesar de todo conhecimento acumulado acerca de nós mesmos e do mundo onde vivemos, o que, pelo menos em tese, deveria nos transformar em seres mais civilizados. Em vez disso, abominações como racismo, machismo, xenofobia, intolerância religiosa, enfim, toda essa variedade de discriminações e preconceitos ainda subsistem com força nesse início de século.

Eu estou de plano acordo com todos que esbravejam contra essas atrocidades, abismados que elas existam ainda hoje. Apesar disso, cansei de ver em fóruns e debates pela internet gente usando como argumento a expressão “em pleno século XXI”, como se estar “em pleno século XXI” fosse condição única para sermos os melhores seres humanos de toda história. Cansei mesmo. Porque não faz o menor sentido para quem tem um mínimo de conhecimento de história.

Esse discurso deriva, acredito, de uma interpretação equivocada da teoria da evolução de Darwin, segundo a qual tudo segue num progresso contínuo, da forma mais bruta e primitiva para uma mais aperfeiçoada. Não é bem assim! Eu não sou biólogo e não entendo as especificidades da teoria da evolução, mas pelo pouco que li, entendo que pela seleção natural, os seres mais adaptados às condições ambientais em determinado período é que sobrevivem. Embora alguns possam desenvolver nesse processo algumas habilidades especiais de camuflagem ou de reserva de água e nutrientes, em alguns casos, o ser vivo pode sobreviver por ser o menor de sua espécie, ou o que mais resiste a doenças, por exemplo, mesmo sem ser necessariamente o maior e mais temido. Muita gente ignora, por exemplo, que o vira-latas é a raça canina mais evoluída, por assim dizer, já que sobrevive muito bem mesmo sem receber todos os cuidados que os seus parentes de pedigree que frequentam os petshops recebem.

Voltando ao tema do texto, depois desse longo desvio, quero deixar claro uma coisa: o simples fato de estarmos no século XXI não quer dizer nada a nosso respeito. Não quer dizer que porque chegamos aqui, com todo o conhecimento e cultura acumulados, somos ou deveríamos ser melhores que os nossos antepassados. Quem somos, faz parte de todo um processo histórico que nos trouxe até aqui, e ele não é composto de um progresso civilizatório linear e contínuo. Na verdade, é feito de muitos avanços e recuos, da alternância entre períodos de grande criatividade e períodos de trevas, momentos em que vence a liberdade e outros nos quais tiranos e ditadores dão as cartas. A história não é esse processo contínuo e inevitável rumo ao que consideramos mais humano. Só com muita luta por justiça e dignidade é que essas conquistas se realizam e são mantidas, pois nada é para sempre.

Então, ao invés de apenas esbravejar incrédulo contra algo que você não crê ainda existir “em pleno século XXI”, procure conhecer as causas e buscar soluções para esses problemas. Somente com este tipo de atitude é que se cria a possibilidade de ao fim do século XXI ou início do século XXII este lado negro da nossa existência – como os preconceitos de todos os tipos, ou a fome – seja transformado em algo mais humano. Senão, é possível que daqui a 100 anos ainda exista alguém dizendo sobre as mesmas coisas "em pleno século XXII!"...

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…