sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Os sinos


É madrugada e os sinos tocam nos meus ouvidos. Assim, sublinhado, porque é só neles mesmo que os sinos tocam, pois não existem sinos nas redondezas. É só que resolvi escrever agora e de repente só ouço o som de sinos, sem a menor razão aparente. Seriam sinos celestiais? Sinos de morte? Sinos de vida? Sinos, em geral, são avisos de algo que vem , algo que começa, de que chegou o grande momento. Mas de que? de acordar? de viver? de encontrar Deus? Sinos bimbalham em meio ao silêncio, perturbando o sono que ainda não chegou. Alguém mais os ouve? Vizinhos, estais também em vigília, atentos ao sinal deste momento? E o natal já passou. Nem pode ser o sino-pequenino-sino-de-Belém. Já nasceu o Deus-menino, falta o nosso bem. Bimbalham, os sinos, bimbalham. E eu aqui, atento. A tempo? Pode já ter passado o sabe-se-lá-o-que os sinos vieram me mostrar. Ouço, agora, apenas o silêncio, traspassado pelos ruídos da noite. Geladeira, relógio, uivo de cães. Coração. Passou, definitivamente, o momento crucial e seus sinos. A geladeira cala num repente. Os cães calaram. Restou o relógio, tic-tac-tic-tac, e o coração, tum-tum-tum-tum... TUM-TUM!
Silêncio e, finalmente, o sono.