terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Ressaca



Era a alma dela escorrendo em sal por entre os dedos, como se o mar a sua frente quisesse nascer dos seus olhos nesse instante de dor. Sim, sua alma era também um mar de sentimentos que vinha em ondas, ora mansas, ora agitadas, outras vezes, como agora, se fazia ressaca, e seus frágeis diques se mostravam insuficientes para contê-las: então era esse transbordar em lágrimas e soluços, mar invadindo a orla, sentimento erodindo as suas bases e empurrando tudo ainda mais para dentro da cidadela...

Mas depois de um tempo o mar sempre volta a se acalmar, a maré baixa, deixando para trás uma praia bela de areias brancas e a esperança de que tudo irá se manter assim, leve e límpido como um paraíso.