Pular para o conteúdo principal

“Há tantos caminhos, tantas portas, mas somente um tem coração”

Seguir um caminho próprio, um caminho que só eu posso seguir porque só eu sei o que vai aqui dentro. Se você já leu a citação de Nietcszhe aqui ao lado, sabe quanto o tema me é caro. Também já postei aqui o texto da Clarice Se eu fosse eu, que acho absolutamente incrível. Vezes sem conta na vida me peguei pensando no que eu faria se eu fosse eu. E aí eu entro em contradição, porque também tomei como uma das verdades da vida que somos sempre o melhor que podemos ser em cada momento.  Mas se é assim, posso me perguntar como seria se eu fosse eu?

É sem dúvida um problema complexo, e se torna ainda mais quando pensamos que o que somos é também uma colcha de retalhos das pessoas que nos ajudaram a formar a nossa personalidade. Eu sou aqueles que amo e, em certa medida, aqueles que detesto, porque esses também me ajudam a delimitar quem eu quero ser quando me mostram quem não quero ser. Dito de outro modo, eu assumo para minha vida o que vejo de melhor nas pessoas que amo ou admiro, das coisas que leio, das crenças que adotei e evito, ou pelo menos procuro evitar, ser aquilo que detesto, desaprovo. E assim procuro ser o melhor que posso ser.

Por outro lado, não sou sempre quem eu quero ser e não escolho sempre ser de uma determinada forma: muito do que somos já vem pré-moldado pela sociedade na qual nascemos. Desse modo, ser o melhor que posso ser pode significar adotar o que a sociedade e a cultura na qual estou inserido acha que é o melhor pra mim – e frequentemente o é. Mesmo que, no fundo, eu queira ser outra coisa totalmente diversa.

Apesar de tudo, tô com o Raul e acredito que há uma forma de sermos nós mesmos, seguir esse caminho único que é só nosso e por onde iremos com todo o nosso coração. É quando não nos deixamos levar pela onda e procuramos encarar nossas verdades e nossos demônios interiores para diferenciar aquilo em que acreditamos de fato das vezes em que apenas aderimos sem convicção a ideias alheias. E aí tomamos a coragem de seguir aquele caminho que será só nosso, com a nossa marca e o nosso sangue demarcando o percurso.

Em O Vermelho e o Negro, Stendhal diz numa passagem que “(...)uma das características do caráter é não deixar o pensamento demorar-se nos sulcos traçados pelo comum”.  Seja por onde for, nosso caminho passa por não demorar-se nos sulcos traçados pelo comum, pois, como diz o Raul em outro trecho de Pedro, “cada um de nós é um universo”, com capacidade para achar novas soluções e novas formas de encarar a vida que poderão inspirar nossos entes próximos e quem sabe até as gerações futuras.

Ser quem somos é o nosso maior desafio na vida. E você tem, coragem de encará-lo?

*O título é um trecho da música Pedro, do Raul Seixas

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…