Pular para o conteúdo principal

Randômicas

1. Cansado demais e hoje ainda é terça
2. Esse ano ainda não soube o que é uma boa noite de sono
3. Extraí 3 sisos na sexta e meu rosto ainda está inchado
4. Também ando muito vadio pros estudos esse ano
5. Estou na vibe metamorfose ambulante, pelo menos no que tange à aparência física
6. Primeira vez na vida que fico barbudo e não acostumei ainda
7. Quando meu bigode nasceu pela primeira vez eu demorei uma eternidade pra tirar
8. Felizmente não tem muitos registros da época
9. Foi também a primeira vez que deixei o cabelo crescer
10. Eu era um cabeludo do bigodinho ralo rs
11. Tentei fazer um cavanhaque uma vez, mas não tive paciência
12. Ficou tipo bigode e barbicha rs mas até que era um visual legal
13. Pensando em tentar o cavanhaque de novo
14. Estou curtindo essa coisa de mudar e postar a foto no facebook
15. Eu que sempre fui reservado, ando exibido nas redes sociais rsrs
16. Aproveitando também essa fase de solteiro, que as pessoas comentam sem medo do que uma namorada diria
17. Falando de coisas mais sérias, descobri que estou no meio de uma experiência negativa
18. Isso porque estudei esses dias para a prova um texto de filosofia que falava sobre o caminho para o pensamento filosófico
19. Resumindo muito, o autor, Gerd Bornheim, vê esse caminho como uma dialética onde se sai de um olhar ingênuo e dogmático para a realidade, passa-se pela experiência negativa e chega-se ao pensamento filosófico
20. A experiência negativa é, grosso modo, uma negação da realidade
21. O indivíduo (eu, no caso) olha para a realidade e não se reconhece nela, acabando por seguir um caminho de introspecção, de recolhimento dentro de si próprio
22. A experiência negativa é egocêntrica: o indivíduo não vê mais sentido na realidade e acaba se fechando dentro de si, ficando em suspenso, flutuando no nada
23. Ela leva ao ceticismo ou ao seu extremo, o niilismo, que é outro conceito complicadinho de falar
24. Eu, que sempre fui uma pessoa de fé, tenho andado mesmo muito cético em relação a tudo
25. Ando relativizando tudo ao extremo, dada a essa incapacidade de chegar a uma verdade inquestionável, o que parece tornar todas as opções ao mesmo tempo válidas e inválidas
26. Como disse outro dia, queria chegar ao gabarito da vida, mas como ele não existe, acabo não vendo muito sentido no que fazemos aqui
27. Acho que não cheguei a experimentar a náusea de Sartre - pelo que li no texto -, mas é certo que estou no meio dessa experiência negativa
28. Só não me entreguei totalmente porque teimo ainda em acreditar em Deus e no amor, apesar de desconfiar da religião, das igrejas, da bíblia e tudo o mais
29. Bornheim defende que para superar a experiência negativa, é preciso abrir-se novamente para a realidade numa atitude de amor e confiança, mas com um olhar filosófico e não com a ingenuidade das ideias pré-concebidas de antes;
30. Seja lá o que isso for, espero encontrar logo o caminho de volta dessa descrença toda
31. Tem uma música do Leoni que fala um pouco disso, de uma forma simplificada
32. "Eu passei um tempo andando no escuro
        Procurando não achar as respostas
        Eu era a causa e a saída de tudo
        E eu cavei como um túnel meu caminho de volta"
33. Agora procurando cavar o meu túnel de volta para a realidade e para alguma crença que me dê uma base
34. Outro dos textos que li falava que no fim das contas tudo é uma questão de crença mesmo
35. A diferença é que filosofando a gente chega à crença por nossos próprios pensamentos, ou seja, a gente cria a nossa forma de crer
36. Ando empolgado mesmo com a filosofia depois dessas leituras obrigatórias rsrs
37. O melhor de arrancar dente é comer sorvete como se não houvesse amanhã e sem culpa nenhuma
38. Comer sorvete com recomendação médica é experimentar um pouquinho do paraíso
39. E ainda tem um pouquinho na geladeira...
40. Vou ali me servir um copo de sorvete Kibon três sabores (sim, quis causar inveja em vocês muahahahaha)

Até amanhã, pessoas!

Postagens mais visitadas deste blog

À Belchior

Se as palavras cortam, poeta
Meus versos são um pouco mais
São caniversos suíços
Que trago ao alcance da mão
para qualquer ocasião

(A velha tentação de rimar
pode cegar as lâminas,
mas sigamos em frente)

Trago sempre comigo
Mas raramente lanço mão
Pois que sou aprendiz
E, no seu manejo,
Mais me golpeio e lacero
Do que poderia fazer a outrem

Das cicatrizes que aqui vês
Como esses talhos no peito
Muitas são marcas deixadas
Pelos meu embates,
Minhas tentativas frustradas
De golpear com meus caniversos

Por isso, poeta
Meu canto torto guardo calado
Que de tão torto, feito faca
É minha carne que corta

Nomes engraçados

Oi, gentes!! Olha eu na maior cara dura já furando no segundo dia de BEDA (risos). Tive um domingo massa, cheio de coisas desde o acordar até a hora do sono, então não deu mesmo pra vir. Vou tentar compensá-los de alguma forma até o fim do mês. Vamos ao texto de hoje.
Você já reparou em como os nomes e sobrenomes podem ser engraçados? Sim, sempre tem alguém fazendo piadas com sobrenomes, sobretudo em tempos de shows de comédia standup e piadinhas enviadas pelas redes sociais. Talvez até você mesmo já tenha feito piadas com os nomes de amigos ou colegas da escola e do trabalho. Mesmo assim vou me arriscar a fazer uma gracinha com o tema.
Alguns nomes já são a piada pronta. Pense nas pessoas com sobrenome Pinto, por exemplo. Você que tem o sobrenome Pinto, tem que ter muito cuidado na hora de escolher o sobrenome dos filhos, senão pode sair algo como João Pinto Brochado. Esse pode ficar traumatizado pra sempre com o nome e já ter dificuldades com ereção desde o dia no qual passar a entend…

Vidas possíveis

Novamente o velho dilema entre fazer o que quero e o que é preciso. Minha mente é naturalmente dispersa e meus interesses, ditados pela minha grande curiosidade a respeito de tudo, mudam com rapidez comparável a possibilidade de clicar em links sugeridos quando se navega pela internet. Mas não é só na internet que meus interesses me fazem ficar horas entre filmes, notícias, humor, esportes, etc. Sempre fui assim, mesmo antes de conhecer esse fabuloso labirinto virtual. Eu sempre fiquei dividido entre várias opções por achar que todas tinham um grau aceitável de validade, mas sem saber a qual dar prioridade.
Passando da pura divagação às experiências ou possibilidades reais, eu sempre me mantive meio que num limbo do qual minha vida poderia me levar para qualquer lugar. Eu sentia, por exemplo, que minha vida poderia ser ligada de alguma forma ao futebol, meu esporte preferido e minha paixão desde que me lembro. Pensava que se treinasse bastante, havia boas possibilidades de me tornar um…